sexta-feira, 21 de maio de 2010

Nostalgia.

 
A saudade se comporta como uma doença que lentamente torna infértil o coração, saudade esta que me machuca, que me entristece, que me consome, que me iguala aos seres desesperados.
Sinto saudades...
Saudades de outrora quando o futuro parecia me pertencer;
quando o desejado era alcançado;
quando a noite se fazia acolhedora e a lua dialogava comigo.
Sinto saudades; da infância, da minha infância onde ter nada era ter tudo;
onde viver era correr contra o vento sem medo de padecer.
Sinto saudades; daqueles amigos que partiram sem se despedir, que se foram sem eu permitir;
das festas mais desejadas e aguardadas;
do amor da família, agora tão longe de mim.
Sinto saudades; de um amor que eu nunca senti;
da poesia que eu escrevi em meio a tantas inspirações;
daquele abraço de alegria;
daquela lágrima que teima em não mais cair.
Sinto saudades; do que antes eu era e que agora se perdeu, se esvaiu e acabou por separar o meu e'u.
Sinto saudades...


Por Dhalila Nogueira.