quinta-feira, 17 de junho de 2010

Ser ia viver.


Sentada no chão do quarto 
me encontro como mais um objeto imóvel sem utilidade.
Perdida em pensamentos,
não que estes estejam a me transportar a algum lugar em especial,
estou apenas a pensar,
a ver a vida passar lentamente em frente ao meus olhos,
apática,
perdida,
desconcertada.
Uma vida sem vida.

Ouço vozes...

Desculpem-me.
É só a vida sendo vivida lá fora.
Vida esta que as paredes do quarto não permitem que eu a veja,
que eu a sinta,
que eu a viva.
Mas, o desejo de vê-la, de sentí-la, de vivê-la na sua face cheia de graça me fascina.
O desejo de ver,
explorar,
descobrir,
esta vida que um dia também pode ser minha.


Por Dhalila Nogueira.