quinta-feira, 18 de agosto de 2011

desencontro.



me encontro entre a espada e a caneta
entre a vontade irônica de lutar pelo o que deveria me pertencer
e/ou mesmo que eu quisesse que fosse meu
estou entre mandos e desmandos do destino
aceitando qualquer ombro que seja amigo
ou a mínima coragem de seguir em frente e conseguir fingir esquecimento
estou presa nas ferragens do desespero
na agonia do desencontro
tentando desesperadamente regastar o que nem sei se ainda resiste
estou aqui a espera da benção divina
da oportunidade de ser o que nem parece me pertencer
estou a espera de um milagre que me salve de mim
e que me faça ser e crer no que for o melhor a se fazer.

por dhalila nogueira.