segunda-feira, 5 de março de 2012

Fuga.






Me pinto de cores e versos mudos, quase inexistentes.
Me fantasio e vou em busca do desconhecido, a procura de mim.
E na peleja desenfreada por emoções.
Recolho as infelicidades e transformo-as em rimas, em explicações.
Em canções sem melodias.
Secas, verdadeiras.
Minhas.







Por Dhalila Nogueira.