sexta-feira, 2 de março de 2012

Insanidade poética.

Tentam me levar de mim como se fosse pavoroso me pertencer. 
Mas, esquecem que ao ter personalidade nenhuma das partes podem ser alteradas.
Que ao me fazer como sou, me completo e me acrescento em mim mesma.
Aconselham-me a usar verbos e atuar como se a vida não passasse de um drama patético gritando por comédia.
Mas, no percurso, quase entre o não me pertencer,
conscientizo-me da verdade, que apesar dos anseios que tenho não se fazerem reais,
pagar pra ver, a mim, é sinônimo de me perder.
Longe de mim, julgar ou até desfazer dos que assim vivem.
Mas, a virtude de uns é minha loucura, o que me reprime.

por Dhalila Nogueira.