quinta-feira, 12 de abril de 2012

Princípio.

Enche o peito com aquela vontade incontrolável de explodir em fervor.   
De se deixar levar.
Como se a vida fosse insignificante sem te ter por perto.
Como se tudo perdesse a graça.
Como se as canções, a poética não me coubessem mais.
Não me traduzissem mais.
Porque os momentos agora só se tornam únicos e insubstituíveis se te tenho aqui.
Mais uma insanidade poética?
O sentimento tão desejado, enfim alcançado?
Não se sabe.
Não sei.
Não se busca saber.
O improvável é aquele que encanta.
Que marca e clama.
Paixão.

por Dhalila Nogueira.