quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Da espera.

É que o coração dói.
O peito aperta e não há nada ao alcance, nada que se possa fazer a não ser esperar.
As palavras minutadas poeticamente nem existem mais.
Nem se enfileiram a fim de formarem poemas.
E eu espero.
Continuo esperando por milagres divinos.
Por poder tocar novamente meu sonho
e o fazer real.
É que esperar cansa.
Desanima.
Mas, nem há mais nada a fazer a não ser esperar.

por Dhalila Nogueira.